Educação Ambiental fortalecendo a Igualdade Gêneros


Neste Dia Internacional da Mulher vamos relembrar o exemplo da Formação Gênero, Água e Educação Ambiental - GAEA. Divulgado pela Revista Aguapé em duas revistas (16 e 17). O projeto teve como objetivo mobilizar lideranças e ampliar o acesso da mulher, estimulando-as e qualificando-as na participação em processos de discussão deliberação e decisão dos diversos segmentos, compartilhando conceitos sobre gênero, água e educação ambiental, buscando assim a planificação de equidade de gênero nesses espaços, utilizando-se de ferramentas da educação a distância e desde então tornou-se referência em como a educação ambiental pode fomentar a igualdade de gêneros nos espaços de tomadas de decisões ambientais.

A trajetória para a consolidação do projeto “Projeto de Formação de Multiplicadores para Incorporação de Gênero no Gerenciamento de Recursos Hídricos e Educação Ambiental” começou em 2007, quando um estudo realizado pela Ong Mulheres em Ação no Pantanal (Mupan), com apoio do Fundo Socioambiental CASA e da IUCN-NL, na Bacia do Alto Paraguai, contatou a pouca inserção das questões de gênero no grupos de trabalho, conselhos e comitês de bacias hidrográficas, bem como a participação da mulheres nesses espaços decisórios. Então, preparar mulheres de vários segmentos (donas de casa, professoras, pescadoras, isqueiras, líderes comunitárias, entre outros) se tornou urgente, uma vez que elas são as que mais sofrem os impactos da escassez de água já que são as grandes responsáveis por gerir seus lares.

"As mulheres de diversas formas tem realizado ações locais, mas se deparam com empecilhos nos processos decisórios. Além de tudo na maioria das vezes elas são as responsáveis pelos cuidados com a família”. Diz Áurea Garcia, presidente executiva da Ong Mupan. Áurea ainda lembra que a ONU Mulheres revelou uma pesquisa recente onde confirma que o trabalho não remunerado de cozinhar, limpar a casa, cuidar de crianças e idosos, mais frequentemente realizado por mulheres, representa de 10% a 39% do Produto Interno Bruto (PIB) dos países.

Conhecimento para ser propagado

O GAEA foi concretizado em 2013, proposto pela ONG Mulheres em Ação no Pantanal (MUPAN) com suporte do Programa Ecosystem Alliance (EA), da Wetlands International, IUCN e Both Ends. Tornou-se curso de extensão Gênero Água e Educação Ambiental com certificação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Com duração de seis meses, a extensão destinou 150 vagas gratuitas para alunos da Bacia do Alto Paraguai e Bacia do Paraná, em Mato Grosso do Sul, além de contar com a participação de lideranças da fronteira com o Paraguai. Os principais resultados do Curso de extensão podem ser conferidos na revista Aguapé nº 17.

Em 2015, O GAEA também lançou a publicação "GAEA - Gênero àgua e Educação Ambiental", e teve lançado seu web site com todas as informações contidas no CD que vem de encarte junto à publicação, onde pode ser conferido depoimentos, materiais didáticos, vídeos e todo o material de apoio utilizado durante o curso de extensão. (Confira em www.mupan.org.br e www.gaea.inf.br).

O grande reconhecimento veio em 2016 quando a Formação Gênero, Água e Educação Ambiental - GAEA foi selecionada pela Onu Mulheres para integrar o Compêndio de "Boas Práticas de Capacitações para a Igualdade de Gênero". Faça o Download Aqui.

  • c-facebook

© 2017 por REDE AGUAPÉ.