• c-facebook

© 2017 por REDE AGUAPÉ.

Linha do Tempo

Desde sua Criação, em 2002, a Rede Aguapé de Educação Ambiental do Pantanal consolidou-se como principal porta voz de vivencias e discussões da Educação Ambiental das cidades pantaneiras e da Bacia do Alto Paraguai (BAP).  A Revista Aguapé tornou-se a principal ferramenta para a troca de experiências, divulgação de projetos educacionais e ambientais, denúncias e novidades. Em cada edição é demostrada várias realidades pantaneiras, muitos anseios, problemáticas, soluções e, acima de tudo, esperança. Desta forma, em cada revista percebe-se também a evolução da própria história da Educação Ambiental na região.

 

No Histórico a seguir, cada Revista Aguapé compõe a linha do tempo da Rede Aguapé de Educação Ambiental. Veja quais foram os principais assuntos de cada edição, projetos relatados e os parceiros que tornaram possível a continuidade desta incrível ferramenta de Educomunicação.

2002
rev_data21.png

2002 Nasce a Rede Aguapé de Educação Ambiental do Pantanal

Fevereiro de 2003 – É lançada a Revista Aguapé nº 1, apoiando ações de EA em Poconé (MT), Aquidauana (MS), Cáceres (MT) e na Colônia Carmelo Peralta, no Paraguai.

Nº 2 - Junho de 2003 – A Revista Aguapé apoia ações de EA em Campo Grande (MS) contra a instalação de uma usina de incineração do lixo e divulga notícias sobre os municípios de Coxim (MS), Porto Murtinho (MS), Aquidauana e Colônia Carmelo Peralta, no Paraguai. Também é divulgada a entrevista com Marcos Sorrentino, diretor do Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA). Juntamente com a Rede Mato-grossense de EA (REMTEA) a Rede Aguapé lança o evento Fome Zero da Educação Ambiental.

Nº 3 - Setembro de 2003 -  A Rede Aguapé homenageia duas personalidades, o tocador e fazedor de viola de cocho de Corumbá (MS), Agripino Soares de Magalhães e o ambientalista Francisco Anselmo Gomes de Barros. Também é divulgado o projeto do Fundo Estadual de Incentivo à Cultura (FIC-MS) de fotografia que envolve nove núcleos da Escola Pantaneira de Aquidauana (MS). Novos facilitadores da Rede Aguapé são apresentados às comunidades, são os alunos da capacitação de agentes multiplicadores para gestão e EA em rede, provenientes de 13 localidades da Bacia do Alto Paraguai. Os Seminários Temáticos da Rede Aguapé têm início e informações sobre o III Encontro e Feira dos Povos do Cerrado são divulgadas. A Revista Aguapé apoia ONGs que reagem contra o decreto que libera a implantação de destilarias de álcool e açúcar na Bacia Pantaneira.

Nº 4 - Novembro de 2003 – Uma edição especial da Revista Aguapé é lançada para divulgar o evento Fome Zero da Educação Ambiental o maior encontro sobre EA já realizado com participação dos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, organizado pela Rede Mato-grossense de Educação Ambiental (REMTEA) e Rede Aguapé de Educação Ambiental do Pantanal. Participaram cerca de 500 educadores ambientais de ambos Estados além do Paraguai e de todas as regiões do Brasil (TO, GO, DF, SP, RJ, MG, RS, PR, PA, PB e CE). A Revista Aguapé também divulga o Festival Ecológico Cultural das Águas, promovido em Cáceres (MT). O segundo Seminário Temático da Rede Aguapé acontece em Aquidauana (MS) e novas notícias sobre as usinas sucroalcooleiras na Bacia do Alto Paraguai são divulgadas.

Nº 5 - Janeiro de 2004 – Uma edição especial da Revista Aguapé escrita por lideranças e educadores pantaneiros, alunos da capacitação de agentes multiplicadores para gestão e EA em rede, é lançada. São divulgadas notícias de Barão de Melgaço (MT), Jardim (MS), Poconé (MT), distrito de Três Barras (Campo Grande – MS), Aquidauana (MS), Corumbá (MS) e uma entrevista especial com a coordenadora do Grupo de Pesquisa em Educação Ambiental da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Michèle Sato.

Nº 6 - Março de 2004 – A Rede Aguapé entrevista Maurício de Souza, criador da Turma da Mônica e continua a divulgar produções dos alunos da capacitação de agentes multiplicadores para gestão e EA em rede. Notícias sobre a inclusão digital em Aquidauana e trocas de experiências entre professoras de Poconé e Corumbá são divulgadas. Acontece o III Seminário da Rede Aguapé em Porto Murtinho (MS).

Nº 7 - Março de 2005 – A Revista Aguapé divulga informações sobre o planejamento para instalar um polo minero-siderúrgico no Pantanal, além de um polo gás-químico e uma termelétrica a gás natural. Também é noticiado o encontro dos Conselhos Jovens no Seminário de Formação I, em Brasília. A Rede Aguapé lança em sua fase final de execução do Projeto de Estruturação da Rede Pantanal de Educação Ambiental 16 cartões postais, para incentivar a troca de informações que resultem na valorização da biodiversidade e de aspectos culturais e históricos do Pantanal. Escolas pantaneiras ajudaram a escolher símbolos de seus municípios. Em sua sétima edição a Revista Aguapé faz um balanço desde sua criação, divulgando os 24 pontos de distribuição das edições no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além de outros sete locais no Brasil.

Nº 8 - Junho de 2005 – A Rede Aguapé continua a acompanhar as discussões sobre as usinas sucroalcooleiras na Bacia do Alto Paraguai, trazendo para o debate a questão. Uma matéria especial da Revista Aguapé aborda a formação das redes e os desafios para a sustentabilidade. Uma pesquisa que mostra o perfil de jovens socioambientalistas de todo o Brasil é divulgada. O primeiro diagnóstico da EA no Pantanal apresenta seus dados e revela a atuação de mais de 100 instituições na Bacia do Alto Paraguai. A campanha Pantanal Ameaçado – Ponha a boca no mundo é noticiada.

Nº 9 - Outubro de 2005 – A última edição da Revista Aguapé produzida com apoio do Fundo Nacional do Meio Ambiente é lançada, divulgando os resultados do Projeto de Estruturação da Rede Pantanal de Educação Ambiental. A professora da UFMT e educadora ambiental Michèle Sato escreve o artigo “No balanço da flor do aguapé”. São divulgadas informações sobre o Porto da Manga, em Corumbá (MS), e sobre o IV Encontro de Educador@s Ambientais de Mato Grosso e I Fórum do Programa de Formação em Educação Ambiental no Pantanal (Profeap). Juntamente com a UFMS a Rede Aguapé recebe proposta para executar o projeto Pé na Água, na bacia do rio Apa, trabalhando com a popularização da ciência, olhando para as questões da água. O projeto foi aprovado no edital CT-Hidro/MCT/CNPq nº 015/2005, do Consleho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e possibilitou a edição de uma nova Revista Aguapé.

Nº 10 - Fevereiro de 2008 – A Rede Aguapé apoia a divulgação do Projeto GEF Rio Formoso e lança uma edição especial da Revista Aguapé para divulgar as ações de conservação da natureza com produção. A edição traz entrevista com o promotor Luciano Loubet, reportagem especial sobre a seca histórica do rio Mimoso e artigo sobre a Serra da Bodoquena, por Paulo César Boggiani. Novas iniciativas em EA e ações socioambientais desenvolvidas em Bonito são divulgadas.

Nº 11 - Abril de 2008 – A Rede Aguapé apoia a divulgação de informações do Projeto Pé na Água, na bacia hidrográfica do rio Apa e ganha nova edição da Revista Aguapé. O projeto, apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico trabalhou uma abordagem sistêmica mostrando as relações das águas, terras, fauna, flora e cultura para a gestão das águas. As coletas de dados geraram materiais didáticos como livro, cartilha, site e CD-Rom, além da Revista Aguapé. A produção e disseminação de conhecimentos locais são uma tentativa de despertar na população local questões fundamentais para assegurar a qualidade das águas e a conservação da bacia hidrográfica do rio Apa. A Revista Aguapé foi buscar personagens e conheceu situações e relatos de moradores numa região entre o Brasil e o Paraguai.

Nº 12 - Janeiro de 2010 – A Rede Aguapé continua a apoiar o Projeto GEF Rio Formoso e divulga as tecnologias sustentáveis que aumentam a produção no campo. Na entrevista, o coordenador do projeto, Heitor Coutinho fala sobre a bacia do rio Formoso. Na edição especial da Revista Aguapé é divulgada também a técnica de compostagem por leiras estáticas e uma entrevista com a filha e neta de Raída, esposa do famoso bandoleiro Selvino Jacques. Na seção artigos confira os Desafios do Lixo de Bonito e em notícias saiba mais sobre a nova rede de educação ambiental criada, a REAMS, Rede de Educação Ambiental de Mato Grosso do Sul.

Nº 13 - Março de 2010 – A Rede Aguapé ganha apoio da ONG Mulheres em Ação no Pantanal (MUPAN) e lança uma nova edição especial da Revista Aguapé para divulgar as ações do “Projeto de Fortalecimento de Políticas de Educação Ambiental para o Pantanal: O Caso da Bacia Trasfronteiriça do Rio Apa”. As ações são focadas na bacia hidrográfica do rio Apa, que une o Brasil com o Paraguai, na Bacia do Alto Paraguai, empoderando processos locais já em andamento e dando continuidade ao atendimento de demandas por formação, capacitação e discussões de EA identificadas por programas anteriores. O projeto tem apoio do Programa de Pequenas Subvenções (EGP) do Comitê Holandês da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN-NL). A produção e a difusão de informações socioambientais por meio da Revista Aguapé demonstra o protagonismo da Mupan, organização que 

trabalha para ampliar a participação feminina em políticas públicas e programas no Pantanal e bacia do Alto Paraguai, com parcerias de instituições públicas, não-governamentais e de ensino.

Participaram do projeto municípios do Brasil como Ponta Porã, Antônio João, Jardim, Bela Vista, Bonito, Caracol e Porto Murtinho, no Estado de Mato Grosso do Sul, e também do Paraguai como as municipalidades de San Carlos, Pedro Juan Caballero, Bella Vista, Carmelo Peralta, San Lázaro e seu distrito Puerto Valle Mi. As atividades do projeto incentivaram a troca de experiências utilizando estratégias de comunicação em rede, presenciais ou a distância, para enriquecer os Projetos Político-Pedagógicos (PPPs) das escolas participantes e as políticas públicas de educação e meio ambiente. Na edição especial da Revista Aguapé conheça ainda os facilitadores da nova rede ambiental de educadores e gestores da bacia do Apa e notícias socioambientais da região.

Nº 14 - Maio de 2010 – A Rede Aguapé, por meio da Revista Aguapé, lança uma edição especial com fotonovela para relatar as ações de formação do “Projeto de Fortalecimento de Políticas Públicas de Educação Ambiental para o Pantanal: O Caso da Bacia do Apa”, que percorreu, entre março e abril de 2010, 12 municípios da região, no Brasil e Paraguai, realizando oficinas de EA nos Projetos Político-Pedagógicos escolares e de educomunicação (rádio popular) para educadores, lideranças e gestores. A edição especial divulga como resultados o diagnóstico da educação ambiental das escolas, o fortalecimento das ações socioambientais e uma edição especial de programa radiofônico Boca da Mata, produzida pelos participantes das oficinas. O projeto é executado pela ONG Mulheres em Ação no Pantanal com apoio do Programa de Pequenas Subvenções para Ecossistemas (EGP) do Comitê Holandês da União Internacional Para Conservação da Natureza (IUCN-NL).

Nº 15 - Março de 2012 – A Rede Aguapé lança, através da Revista Aguapé, a primeira edição bilíngue, com textos em português e espanhol e divulga ações de educação ambiental na fronteira do Brasil com o Paraguai, na bacia hidrográfica do rio Apa. Na edição é divulgado o resultado do concurso de cartas e cartazes do projeto “Rio Apa – unindo dois povos!”, que premiou estudantes brasileiros e paraguaios dos municípios de Bela Vista, no Brasil, e Bella Vista Norte, no Paraguai. Confira também na edição o artigo Águas da Fronteira, por Áurea da Silva Garcia e Patrícia Lima Ortelhado, além de notícias sobre EA e políticas públicas socioambientais da região.

Nº 16 - Janeiro de 2014 – A Rede Aguapé apoia a divulgação, com a Revista Aguapé, do “Projeto de Formação de Multiplicadores para Incorporação de Gênero no Gerenciamento de Recursos Hídricos e Educação Ambiental”, proposto pela ONG Mulheres em Ação no Pantanal (MUPAN) com suporte do Programa Ecosystem Alliance (EA), da Wetlands International, IUCN e Both Ends. O projeto abriu inscrições para um curso de extensão gratuito de 180 horas/aula de Gênero Água e Educação Ambiental com certificação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Com duração de seis meses, a extensão destinou 150 vagas para alunos da Bacia do Alto Paraguai e Bacia do Paraná, em Mato Grosso do Sul, além de contar com a participação de lideranças da fronteira com o Paraguai.

Nº 17 - Agosto de 2014 – A Rede Aguapé ganha novo apoio com uma nova edição da Revista Aguapé para divulgar os resultados do curso de extensão “Formação em Gênero, Água e Educação Ambiental”, do “Projeto Formação de Multiplicadores para Incorporação de Gênero no Gerenciamento de Recursos Hídricos e Educação Ambiental”, executado pela ONG Mupan em parceria com a UFMS. Aprovado pelo Programa Ecosystem Alliance (EA) e desenvolvido pelas organizações Wetlands International, União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) e Both Ends, a formação teve como objetivo mobilizar lideranças e ampliar o acesso da mulher, estimulando-as e qualificando-as na participação em processos de discussão deliberação e decisão dos diversos segmentos, compartilhando conceitos sobre gênero, água e educação ambiental, buscando assim a planificação de equidade de gênero nesses espaços, utilizando-se de ferramentas da educação a distância. Com duração de 180 horas/aula, a formação aconteceu durante nove meses e ofereceu certificação da UFMS. Os principais resultados podem ser conferidos na edição especial da Revista Aguapé.

Nº 18 - Dezembro de 2015 – A Rede Aguapé apoia, por meio de mais uma edição especial da Revista Aguapé, o Programa de Extensão Apa para Todos, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Esta é a quinta edição da revista que traz informações sobre projetos e ações que estão sendo realizadas na bacia do rio Apa. O programa aponta a Revista Aguapé como um dos canais de divulgação das informações e resultados gerados por meio da execução de  seus projetos. Serão duas edições da Revista Aguapé apoiadas pelo Programa Rio Apa para Todos. Neste número é apresentado o Programa e seus respectivos projetos executados na bacia hidrográfica do rio Apa. Há informações sobre o monitoramento das águas da bacia, o levantamento sobre a produção dos resíduos sólidos urbanos nos sete municípios brasileiros da bacia e o projeto de Educação Ambiental para a promoção do cuidado com a água que permeia todo o programa. A edição da Revista Aguapé também traz alguns depoimentos dos estagiários e parceiros sobre as experiências vivenciadas neste primeiro ano de execução do programa. Os leitores também conhecerão o histórico e os resultados já alcançados para a gestão integrada da bacia transfronteiriça do rio Apa e, para finalizar, o artigo que conta a história do Grupo de Educadores Ambientais Sem Fronteiras – GEASF.

Nº 19 – Março de 2017 – Esta edição da revista Aguapé mostra os resultados obtidos pelo o Programa de Extensão Apa para Todos, da UFMS. O programa multidisciplinar envolveu docentes, acadêmicos, cidadãos, ONGs e poder público. Os participantes das atividades promovidas pelos projetos estiveram presentes no levantamento das informações, nas oficinas de aprendizagens e, por último, na consolidação dos materiais produzidos pelo Programa. Com o Portal Rede Aguapé reestruturado foi possível disponibilizar conteúdos extras e publicações resultantes do programa.

Nº 20 – Julho de 2017 – A edição nº 20 da Revista Aguapé celebra os 15 anos da Rede Aguapé de Educação Ambiental do Pantanal. Para comemorar o aniversário, a Revista Aguapé reuniu relatos de pessoas que atuaram e ainda atuam na Rede. Como matéria especial uma linha do tempo conta a história da educação ambiental na Bacia do Alto Paraguai através dos assuntos e projetos relatados e divulgados pela Revista Aguapé. Também ressalta o projeto “Portal Rede Aguapé - Pantanal sem fronteiras e em evidência”, apoiado pelo Fundo Socioambiental CASA, pelo qual foi possível reestruturar o site da Rede e a realizar esta edição.

Capa21.png

Nº 21 – Novembro de 2018 –Esta edição especial foi produzida pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), por meio do Projeto “Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Bacia Hidrográfica do Rio Taquari – Projeto Taquari”. Este projeto foi realizado pelo Imasul com recursos da Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, e em parceria com a Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural do MS (Agraer).

Para saber mais sobre o Projeto Taquari, fazer o download dos materiais produzidos (revista, cartilha informativa e spots para rádio) e dos materiais técnicos disponibilizados para consulta, acesse a página do projeto no site do Imasul por meio do link: https://bit.ly/2R9q2Ds